PRAIA DE MAUÁ
 
 

 Conheça a Praia de Mauá
 Turismo e Eventos
 Álbum Utilidades Livro de Visitas Classiconectados Saiba Mais Downloads

 
 
ESPAÇO CULTURAL
 
 

 Barão de Mauá 1ª Ferrovia do Brasil

 Paiol

 Igrejas Históricas

 Outros Fotos Históricas

 Curiosidades

 

 
 

Conheça a Praia de Mauá

               

A vida em Mauá, datas comemorativas, Hino de Magé e etc.


 

    


     Quer recarregar suas baterias, voltar para casa cheio (a) de disposição e com certeza que a paz ainda existe? Venha desfrutar da mais completa harmonia em Guia de Pacobaíba, também conhecida por Mauá (5o Distrito de Magé), que fica pertinho do Rio de Janeiro, a pouco mais de 40 minutos de viagem.

     Foi lá, que pela primeira vez o solo da Pátria, sentiu o rodar de uma locomotiva, em 30 de abril de 1854, o marco zero da viação ferroviária no Brasil. Obra realizada por Irineu Evangelista de Souza, Barão e Visconde de Mauá.

     Existe também a Guia de Pacobaíba dos religiosos. Por concentrar um grande número de igrejas centenárias, como a de Nossa Senhora da Guia, construída em 1640, possuidora de uma arquitetura de tradição religiosa ibérica que pode ser melhor compreendida como herança das fazendas rurais fluminenses dos séculos XVII e XIX. A capela de Nossa Senhora dos Remédios construída em 1740, durante a ocupação da orla da Baía de Guanabara, marcando o sentido vertical de sua arquitetura, a nave (única) coro, capela mor, sacristia e torre sineira, não fogem as características das capelas da região. A capela de São Francisco do Croará, datada de 1745, situada em uma pequena elevação, com a frente voltada para o litoral da Baía, na localidade de São Francisco, ainda conserva alguns sinais originais (apesar de modificados), sobressaindo suas silhuetas a grande distância na paisagem horizontal dos manguezais.

     Pacobaíba, por sua costa de mar aberto poderá, se transformar no rosto de Magé. De lá, é possível visualizar com clareza e nitidez o Corcovado, o Pão de Açúcar, a Ponte Rio Niterói, e várias ilhas famosas como Paquetá, Governador e etc..., o Dedo de Deus, a Serra da Estrela e tantas outras belezas que só mesmo Deus poderia criar.

     Prédios construídos no final do século passado e no início desse ainda resistem à ação do tempo e podem ainda serem admirados. Outros como o antigo Paiol, construído no século XIV, infelizmente em ruínas, também fazem parte do acervo local e deve ser visitado.

     Mauá, no futuro próximo, poderá ser um pólo turístico importantíssimo na região, pois o quinto distrito é um verdadeiro Museu a céu aberto, onde predomina a História e monumentos. Com seus dias claros proporcionando aos amantes do sol e do verão, momentos inesquecíveis, o distrito apaixona a quem o visita pela primeira vez, ficando perpetuado no coração do turista. Suas praias, a vista do Rio, o vôo tranqüilo das gaivotas, a labuta do experiente pescador, seus restaurantes e bares, a hospitalidade da população local e tantas coisas difíceis de serem enumeradas que só visitando o pacato local é que se pode ter uma idéia exata da paz, da tranqüilidade e tantas coisas que somente Deus poderia ter criado.

Eugênio Sciammarella

 

VEJA TAMBÉM: Pontos Turísticos e Álbum da Praia de Mauá

Fotos dos Eventos na Praia de Mauá e adjacências: http://www.canaldanight.com.br/


Praia de Mauá por Nilson Jr.

     A Praia de Mauá é uma cidadezinha localizada na baixada fluminense, tem por principais atividades econômicas a pesca e o comércio. Suas ruas interiores ainda são de "chão batido" e suas paisagens naturais são características marcantes e inesquecíveis. A vegetação Atlântica e Litorânea compõe o lugarejo, transformando-o num local acolhedor, onde qualquer cidadão desfruta de imensa paz e harmonia.

     Como toda pequena cidade todos se conhecem, e o índice de furtos e qualquer outro tipo de violência chegam perto de zero. Enfim, Mauá é uma cidade para descansar com a família, conhecer Monumentos Históricos, curtir um piquenique e fazer passeios.

     Seus maiores agitos são:

- O Réveillon, onde milhares de pessoas visitam a cidade e assistem à queima de fogos na praia;

Tradicional queima de fogos

- O Carnaval é data mais esperada por toda a cidade. Durante esta data a cidade fica mais movimentada com diversas pessoas que visitam a cidade para pular no tradicional Bloco das Piranhas (Desfile onde várias pessoas se vestem com trajes do sexo oposto para desfilarem e curtir samba ao vivo com batida de graça);

Bloco das Piranhas

- Festas Juninas: Entre Junho e Agosto realizam-se as tradicionais festas das Igrejas da Guia e São Pedro, onde diversas pessoas assistem a show´s ao vivo desfrutando das barraquinhas diversas, que se localizam ao redor das praças das mesmas.( Barenco e Guia);

Festa Junina

- Aos finais de semana várias pessoas passeiam pelo calçadão situado na Praia do Anil seguindo em direção a praça de Olaria (point dos jovens, onde se reúnem para desfrutar o baile do Mauá Iate Clube) ou vão á Figueira, na Feira de Tradições Nordestinas. Já os mais idosos preferem saborear comidas típicas da região nos vários bares e restaurantes, curtir uma bela seresta a frente do mar e gozar da tranqüilidade nas areias da praia, se divertirem nos vários bingos e etc;

     A cidade conta ainda com diversos pontos Turísticos e Históricos como: A Primeira Estação Ferroviária, Igrejas antiguíssimas, o Velho Paiol e etc;

    Existe ainda os que preferem a tranqüilidade e passam o dia se divertindo em piscinas e praticando esportes nos clubes espalhados pelo local.

    Venha para Mauá e nunca se esquecerá...


Magé

Conheça o Município que abriga o distrito de Guia de Pacobaíba - Mauá.

      Magé pertence à Região Metropolitana do Rio de Janeiro – RMRJ, que também abrange os municípios de Rio de Janeiro, Belford Roxo, Duque de Caxias, Guapimirim, Itaboraí, Japeri, Mesquita, Nilópolis, Niterói, Nova Iguaçu, Paracambi, Queimados, São Gonçalo, São João de Meriti, Seropédica e Tanguá. O território municipal se limita com Petrópolis ao norte, Guapimirim a leste, Duque de Caxias a oeste e com a Baia de Guanabara ao sul.

 

 

     O município tem uma área total de 386,8 Km2, correspondentes a 8,3% da área da Região Metropolitana. Compõe-se, na atualidade, dos distritos de Magé (1o distrito - sede), Santo Aleixo (2o distrito), Agrícola de Rio do Ouro (3o distrito), Suruí (4o distrito), Guia de Pacobaíba ou Mauá (5o distrito) e Vila Inhomirim (6o distrito). A sede municipal está situada a uma distância de 50 Km da capital do Estado, o município do Rio de Janeiro.    

     Magé detém uma história riquíssima, já tendo abrigado em seu território, mais especificamente na bacia do Rio Inhomirim, o segundo porto mais importante do país – o Porto da Estrela, somente superado pelo do Rio de Janeiro; o trecho inicial da estrada colonial mais movimentada – a Variante do Caminho Novo para Minas Gerais; o primeiro sítio particular dedicado à pesquisa botânica em solo brasileiro – a Fazenda da Mandioca, pertencente ao diplomata e naturalista Barão Langsdorff; a primeira ferrovia – a Estrada de Ferro Mauá, implantada pelo Barão de Mauá; a fábrica de pólvora que abasteceu nossas forças armadas durante a Guerra do Paraguai; um dos maiores parques têxteis; as primeiras revoltas operárias de inspiração anarquista da nação brasileira; além de ser a terra natal do internacional Garrincha – apelido de Manoel dos Santos, considerado um dos melhores jogadores de futebol de todos os tempos.

     O município também possui uma natureza privilegiada, representada por uma das últimas reservas de Mata Atlântica do Estado, manguezais, praias, a Baía de Guanabara, belíssimas montanhas e rios encachoeirados.

     Magé é igualmente dotada de especial vocação logística, por ser banhada pela “estrada natural” da Baía de Guanabara, cortada por uma das mais importantes rodovias federais brasileiras, a BR 116, e servida por quatro ramais ferroviários, um dos quais desativado, a EF Mauá, que corta longitudinalmente a bacia do rio Inhomirim.

     Pode-se caracterizar no município três áreas bastante distintas, verificando-se uma correlação entre as condições naturais destas e a forma de ocupação e o aproveitamento econômico do território municipal. A primeira é a área da serra do Mar, ao norte do município, com grandes massas rochosas. A cobertura vegetal é de matas primárias e secundárias densas, sendo que em alguns trechos de patamares aparecem manchas de pastagens e em outros trechos de menor declive, nos grotões, plantações de bananeiras. O microclima nesta área é de temperaturas baixas e chuvas abundantes de origem orográfica, com maior intensidade no verão. É nesta área que nascem os rios que banham o município. Na área da serra, localiza-se parte do Parque Nacional da Serra dos Órgãos, com sede em Teresópolis e subsede em Magé.

     A segunda área, plana e semiplana, situada na parte mais central do município, desenvolve-se no sentido oeste-leste e é caracterizado por colinas meia-laranja (morros de piemonte). Iniciando-se na base da serra e terminando na baixada, limita-se a sudeste por áreas normalmente inundáveis que, podem estender-se até o litoral. Nesta área encontram-se os melhores solos para a agropecuária. A cobertura vegetal é variável, predominando nos morros mais altos matas secundárias, capoeiras e capoeirões; nas colinas, vegetação arbustiva, gramíneas e árvores isoladas, formando pequenos conjuntos. O clima é quente e úmido. Cabe ressaltar que os núcleos urbanos do município estão assentados nesta área, principalmente na faixa de transição entre a parte semiplana e a de baixada.

     A terceira área, de baixada, é parte sujeita a inundações periódicas e parte permanentemente inundada. Predomina a vegetação de brejos e manguezais. Os solos da baixada são do tipo hidromórfico, refletem o excesso de umidade tendo uma composição, extremamente salina na parte influenciada pelas marés. Espelhando as condições topográficas da área, os rios têm configurações meândricas, com lento escoamento. Apesar das condições inadequadas à ocupação urbana as parcelas contíguas ao núcleo de Magé estão loteadas.

     Os numerosos cursos d’água nascem nas Serras dos Órgãos e Estrela, atravessam o território municipal no sentido norte-sul e têm importância fundamental no quadro do desenvolvimento agropecuário local, na produção industrial e no processo de urbanização do município. Desembocam todos na Baía de Guanabara, como os rios Iriri, Suruí, Santo Aleixo ou Roncador, Magé e o Estrela, formado com a união do Inhomirim e o Imbariê.

     Patrimônio histórico, cultural, ambiental e turístico

     Ao longo de sua história, o território de Magé recebeu várias benfeitorias e prédios, dos quais resta um número razoável. Esse patrimônio histórico foi tombado tanto em nível nacional quanto estadual.

 

Relação dos Bens Tombados pela União ou pelo Estado no Município de Magé:

 • Estrada de Mauá a Fragoso (linha de ferro e estação da Guia de Pacobaíba)

• Trecho da Calçada de Pedra, ou Caminho de Inhomirim (Caminhos de Minas)

 • Igreja de Nossa Senhora da Guia de Pacobaíba

 • Igreja de São Nicolau • Capela de Nossa Senhora dos Remédios

• Capela de São Francisco de Croará

• Capela de Nossa Senhora da Conceição

• Capela de Santa Ana

• Igreja de Nossa Senhora da Piedade

• Capela de Nosso Senhor do Bonfim

• Capela de Santo Aleixo

• Capela de Nossa Senhora da Conceição

• Trecho da Serra do Mar / Mata Atlântica Além desses, o município detém outros pontos de interesse histórico e arquitetônico:

• Porto e Capela de Nossa Senhora da Estrela

 • Paiol de Pólvora da Fábrica Estrela

• Fábrica de Pólvora Estrela

 • Fazenda Cordoaria

• Fazenda Vila Real

 • Estação de Raiz da Serra

 • Cia América Fabril (Pau Grande)

     As manifestações culturais do município são caracterizadas, basicamente, por festas religiosas e cívicas, tradicionais na cidade. Em seu calendário de eventos destacam-se:

• Festa de Santo Aleixo, 17 de julho;

• Festa de Nossa Senhora da Piedade, 14 de setembro;

• Festa de Aniversário do Município, 2 de outubro.

Magé também possui uma natureza exuberante, onde se destacam inúmeras atrações naturais:

• Serra dos Órgãos, seção da Serra do Mar que abrange o município de Magé, Petrópolis e Teresópolis. Nela estão localizados alguns atrativos naturais de grande beleza paisagística como: Pedra do Sino, Nariz do Frade, Escalavrado, Campo de Antas e o famoso Dedo de Deus, que se localiza geograficamente em Magé, mas identifica-se como marca turística de Teresópolis. De qualquer ponto de Magé pode-se apreciar a beleza de seu recorte montanhoso e, na região mais elevada do município, avista-se em dias claros, de vários pontos da Serra dos Órgãos, a Baía de Guanabara em todo seu esplendor, o oceano, a Baixada Fluminense e o Grande Rio.

• Cachoeira do Monjolo, composta de três quedas principais e piscinas naturais.

• Morro Dois Irmãos, com 1.050 metros de altitude, é formado por dois cumes próximos um ao outro, com grande semelhança entre si. • Poço da Sereia, ampla piscina natural, possui águas claras, transparentes e frias.

• Poço do Silvestre, Açude de Santo Aleixo, Cascata do rio Baioba.

• Poço do Tamanqueiro, formado por três piscinas naturais, a maior delas com 20 metros de diâmetro.

• Poço Doze-Doze, onde se destacam no leito do rio formações rochosas que atingem alturas de 5 metros a 6 metros, fica no rio Pau-Grande, que tem grande número de pequenas quedas d'água e várias piscinas naturais.

• Poço Macumba, localizado no acidentado rio Andorinhas, tem 18 metros de diâmetro.

• Praia de Mauá, localizada no fundo da Baía de Guanabara, em área de 7km de praias, tem fundo de lama e lodo e pequenas faixas de areia. Acha-se circundada por bares e moradias, formando uma grande colônia de pescadores.

• Praias de São Francisco, Anil, Piedade e Mauá.

• Ilhas Caraíbas.

Isabel Cristina dos Reis Lima e Silva Raul Cahet Lisboa


 

Significado dos Símbolos de Magé

     O Brasão de Magé foi aprovado pela Lei de 9 de junho de 1959, e alterado através da Deliberação nº 380/973 promulgada em 20 de agosto de 1973, pelo então Presidente da Câmara Municipal de Magé, Nazyr José Antunes.

DESCRIÇÃO HERÁLDICA:

Escudo português, em campo de outro, dominando a silhueta do "Dedo de deus", em verde. um chefe verde carregado, respectivamente, por onde da direita para a esquerda, em faixa, de uma coroa de duque, de ouro, uma pena de pato, de prata, um turbante de penas, de ouro. Um listel azul, ostentando de prata os seguintes dizeres, em negro: 1565 - Magé - 1857. Tudo encimado pela coroa mural de cinco torres de prata, tendo em quatro delas uma elípse azul, e a torre central carregada de uma flor-de-lis, de ouro.

ELUCIDÁRIO:

O escudo português lembra a origem lusitana de nossa Pátria; o "Dedo de Deus" evidencia o pétreo monumento da natureza, antigamente localizado no território mageense, considerado símbolo nacional do turismo, conhecido no mundo inteiro. A coroa de duque representa o glorioso Luiz Alves de Lima e Silva (o Duque de Caxias), nascido na então Vila da Estrela: a pena de pato, o abolicionista Alcindo Guanabara, o Príncipe dos Jornalistas Brasileiros, nascido em Guapimirim (na época, Município de Magé); o turbante de penas simboliza os índios, donos da terra. A flor-de-lis tem Nossa Senhora da Piedade, a sua padroeira. As datas: 1565 e 1857, respectivamente, representam a fundação da localidade em 7 de setembro de 1565, e a elevação à categoria de cidade pelo Decreto de 2 de outubro de 1857.

O BRASÃO

tem os seguintes Metais e Esmaltes: OURO - Força, PRATA - Candura, VERMELHO - Intrepidez, AZUL - Lealdade, VERDE - Abundância.

BANDEIRA

A bandeira possui três faixas verticais nas cores vermelho, azul e verde, respectivamente da esquerda para a direita, e ao centro o brasão.

HINO DE MAGÉ

Download do Hino - Clique aqui

Letra: Laércio Lindes Agra, Heraldo de Miranda Telles e Renato Peixoto dos Santos
Música: Heraldo de Miranda Telles e Renato Peixoto dos Santos

Mageenses escutai
A voz que sai do coração.
Ao nosso canto atentai,
e eleva o nosso torrão.

Nossa terra é querida
tens heróis e tradições
É ela que dá guarita,
amor e glória aos corações

Magé linda Magé,
Terra de tradição.
Magé linda Magé,
Terra do coração.

A serra se eleva e mostra o Dedo de Deus
O mar reflete o lindo céu de anil
Seus filhos abençoados pelo Senhor
Desde os mais lindos cantos de amor
à Magé e ao Brasil!

http://www.magerj.com.br

http://www.ipahb.com.br/

 

Créditos: Ricardo Vargas


 Prefeitura:

 

Praça Nilo Peçanha, S/N

 

 Câmara:

 

Rua Salma Repani, S/N

 

 População:

 

370.000

 

 Distritos Municipais:

 

Centro, Santo Aleixo, Suruí, Mauá e Piabetá.

 

 Limites:

 

 

• Norte: Petrópolis • Sul: Baia de Guanabara • Leste: Duque de Caxias

• Oeste: Guapimirim, Itaboraí, São Gonçalo e Niterói

 

 Principais vias de acesso:

 

BR – 493 (Magé - Manilha) liga Magé à BR – 101 e à Rod. Amaral Peixoto.

BR – 116 (Rio – Teresópolis) liga o município a Teresópolis e a Duque

de Caxias.

 

 Principais Festas Municipais

 

Seis de Junho – Aniversário da Cidade

Quinze de Setembro – Dia da padroeira, Nossa Senhora da Piedade.

 

 Principais Atrações:

-  Ruínas do Porto da Estrela;

- Poço Bento – cujas águas foram abençoadas, em 1566, pelo Jesuíta

Padre José Anchieta;

- Fazenda Mandioca; e

- Primeira Ferrovia da América Latina, inaugurada em 1854.

 

 Praias:

 

Mauá e Piedade

 

 Cachoeiras:

 

Santo Aleixo, Rio do Ouro e Pau Grande

 

 

Copyright ฉ 2002 - Nilbyteฎ WebDesign - Termos legais
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação,

eletrônico ou impresso, sem autorização de NILBYTEฎ Corporation.